Sobre marcas, rótulos e boa comunicação de vinhos e produtores

image

Ao longo de séculos os produtores vinícolas têm competido entre si num conjunto de fatores que pouco mudou – preço, castas, terroir, estágio… Hoje o mercado dos vinhos, saturado de marcas, é um oceano tingido de vermelho pela luta acirrada entre rivais, que disputam entre si quotas de mercado com lucros cada vez menores.

Em 2005 dois professores de estratégia e gestão do INSEAD contestaram esta visão de marketing convencional num livro que depressa se tornou um bestseller: “A Estratégia Oceano Azul - Como criar mais mercado e tornar a concorrência irrelevante”. Após estudar a evolução de 30 indústrias ao longo de cem anos, os autores W. Chan Kim e Renée Mauborgne afirmam que a estratégia competitiva não é o melhor caminho para o sucesso. A sua conclusão é de que o sucesso duradouro não vem da luta entre concorrentes, mas da capacidade de criar o que chamaram “oceanos azuis”.

Um  “oceano azul” é um nicho de mercado inexplorado onde a marca fica livre para crescer, sem concorrentes.  A estratégia do Oceano Azul fundamenta-se em casos conhecidos como o Cirque du Soleil e o Itunes. E, no mundo do vinho, no incrível caso de sucesso do produtor familiar australiano Casella Wines, criador da marca Yellow Tail. E dá ferramentas que qualquer empresa pode usar. Veja aqui:

 

Quatro passos para criar o seu oceano azul

Em apenas dois anos o produtor australiano Casella Wines fez dos vinhos Yellow Tail a marca com mais rápido crescimento da história da indústria do vinho na Austrália e nos EUAA sua estratégia de marketingoceano azul” seguiu passos que qualquer produtor pode dar para escapar ao oceano vermelho da competição:

 

1)  Eliminar fatores tidos como certos mas que não acrescentam  necessariamente valor. A maioria dos produtores centra-se no envelhecimento e taninos. A Casella Wines percebeu que estes dois fatores intimidavam os clientes e decidiu centrar os seus esforços noutras qualidades.

2)  Simplificar para limitar a margem de erro: Para evitar confundir os clientes a Casella Wines começou com uma gama de apenas um vinho branco e um tinto Yellow Tail.

3)  Exceder as expectativas: A Casella Wines criou um perfil de vinho muito agradável por um bom preço e envolveu os distribuidores com uma aproximação amigável, em vez de intimidante, como é padrão do sector.

4)  Criar valores nunca antes oferecidos. A Casella Wines ligou o acto de beber vinho a novas experiências: facilidade de beber e de escolher, sentido de diversão e aventura.

 

Como vê não é muito complexo encontrar um “oceano azul” para a sua marca. Exige analisar o mercado, reflectir sobre os seus objectivos e sobretudo… simplificar a vida ao seu cliente. Se precisa de ajuda fale connosco.

Rita Monteiro,

Copywriter  Wine & Shine

 

Se gostou deste artigo, talvez goste de ler também:

Há 1 ano
Share