Sobre marcas, rótulos e boa comunicação de vinhos e produtores

Não há nomes perfeitos, nem uma receita infalível para os criar. Mas a sua imaginação e alguns truques podem ajudar. Siga os passos abaixo para aumentar as suas chances de sucesso. Se tem dúvidas ou precisa de ajuda, fale connosco.

image

 1º COMECE POR…

Definir que elementos quer realçar: antes de avançar, determine qual é a sua essência, a sua visão. Um produtor pode querer enfatizar a tradição,  outro, destacar a originalidade do enólogo. O que quer realçar?


Imaginar o seu cliente-alvo: o que procura o cliente na sua marca? Se é rico, experimente um nome que apela ao luxo. Se é um profissional  sem tempo, pense num nome que facilita a sua vida.


CRIAR UMA LISTA DE NOMES POSSÍVEIS

Liste todas as palavras que lhe ocorrem: as qualidades que quer associar ao vinho e também o que pensa que os clientes procuram. Anote todas as palavras que lhe ocorrem (fazer duas colunas de nomes ajuda)

Se possível use dispositivos literários,  ajudam a tornar o seu nome memorável:

  • Aliteração ou repetição das iniciais joga com o som e em termos visuais.
  • Rimas ficam no ouvido, tal como a assonância, repetição de vogais.
  • Jogar com frases comuns, clichês ou lemas
  • Fazer uma referência histórica, literária ou mitológica.
  • Incorporar o seu nome com qualquer um dos dispositivos acima é uma ótima maneira de identificá-lo como o “dono do negócio “e mostrar o seu empenho.

3º ESCOLHER OS MELHORES NOMES DA LISTA

Procure nomes significativos sem serem limitadores: palavras que façam sentido simultaneamente para o seu vinho e para os seus clientes.  Cuidado: um nome muito específico, no entanto, pode limitá-lo a um nicho demasiado restrito.

Procure nomes curtos, fáceis de soletrar e pronunciar:  são mais fáceis de lembrar. Nomes fáceis de soletrar e pronunciar em várias línguas são cruciais para exportar  (neste caso veja se a palavra tem outro significado, para evitar equívocos).  A procura de nomes curtos e claros leva alguns produtores a cunhar novas palavras. Isso funciona bem quando a palavra inventada soa real. O nome “Duorum” soa como “Douro”, que reflete a origem do vinho, distinguindo-o de outros.

4º REGISTAR O NOME

Certifique-se de que o nome que escolheu não está registado no país onde quer utilizá-lo e registe-o.

Selecione os três melhores nomes da sua lista para ter alternativas. Depois tem de certificar-se de que ninguém ainda o registou caso contrário não poderá usá-lo - pesquise no INPI. O próximo passo é registar o seu nome.  Em Portugal pode fazer o registo nacional e internacional online no site do INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial.

4 ERROS A EVITAR

Erro # 1: Obter uma decisão em “comité”. Envolver amigos, familiares, funcionários e clientes nesta decisão parece acertado. Mas esta abordagem geralmente acaba numa decisão de consenso, o que resulta num nome seguro, indiferenciado. O ideal é envolver apenas duas ou três pessoas que sintam a companhia no coração.

Erro # 2: Usar palavras tão simples que nunca se destacarão. A primeira empresa numa categoria pode ir longe. Daí tem a Companhia das Quintas, Companhia Velha e assim por diante. Mas quando há concorrência é preciso diferenciação e é mais importante do que nunca criar o seu nicho, mostrar a sua singularidade.

Erro # 3: Criar um nome demasiado local. Muitas empresas optam por usar a sua cidade ou região como parte de seu nome da empresa. Embora isso possa ajudar no início, muitas vezes torna-se um obstáculo quando a empresa cresce.

Erro # 4: Escolher o nome errado e recusar-se a mudar.

 

 

Rita Monteiro

Copywriter na Wine & Shine

 

Se gostou deste artigo, leia também:

Há 12 meses
Share